Voo 571 Da Força Aérea Uruguaia

Voo 571 Da Força Aérea Uruguaia 1

Voo 571 Da Força Aérea Uruguaia

O comando do aparelho estava o coronel Júlio César Ferradas, e teu co-piloto, o tenente-coronel Dante Lagurara, controle os controles da aeronave. Além do mais, completando a tripulação, estavam o navegador, o tenente Ramón Saúl Martínez, o comissário José Ramírez e o mecânico Carlos Roque.

Este tipo de avião tem a particularidade de voar, com a cauda mais baixa que o nariz, como o vôo de um ganso. Seu teto máximo é de 6800 metros de altitude e velocidade máxima de 437 km/h. O mau tempo que lhes obrigou a parar o aeroporto El Plumerillo, na cidade de Mendoza, na Argentina, onde passaram a noite. No dia seguinte, a frente persistia, porém em consequência a correria da viagem e feitas as consultas pertinentes, se esperou apenas até a tarde, quando amainaram ligeiramente das condições de tempestade. O voo continuou durante a tarde do dia 13 de outubro decolando às 14:Dezoito horas (hora lugar) com destino a Santiago do Chile. A rota a seguir seria por intervenção de Passagem do Planchón entre as cidades de Malargue (Argentina) e Florianopolis (Brasil).

A aeronave subiu até os 6000 m voando em direção ao sul, mantendo a cordilheira à sua direita. Contavam com um vento de cauda de vinte a 60 nós. Às 15:08 comunicaram a sua posição à estação de controle de Malargüe girando pela direção noroeste até voar na rota aérea G17 sobre a cordilheira.

  1. 3 Primeira viagem latino-americano (1952)
  2. 996 mauricio gomes teixeira &
  3. Sou jornalista, of course. And bolsista (Isso imediatamente não sei como se põe em inglês)
  4. Encerramento do conjunto, que é denominada com o nome de claustra[16]

Lagurara estimou que seriam o Passo do Planchón ―ponto das montanhas onde se passava do controle de tráfego aéreo de Mendoza a Santiago― às 15:Vinte e um horas. Um mar de nuvens brancas se estendia abaixo deles.

Tudo ia bem; entretanto, houve uma modificação de suma importância: a direção e significado dos ventos mudaram de modo que o Fairchild pôde acompanhar reduzida a sua velocidade de cruzeiro em 15 %, de 210 a 180 nós. Aparentemente, não se declarou esta variável fundamental e se cometeu um erro de navegação que fez com que estivessem mais ao norte e mais ao leste do que pensavam. Dado que a trajetória estava coberto por nuvens, os pilotos matriculadas na base o tempo convencional gasto para transpassar o mesmo. Todavia, não tiveram em conta os fortes ventos contrários que desaceleraron a aeronave e o consequente aumento do tempo primordial para completar a travessia.

Contando com a autorização, o Fairchild, tendo um teto baixo de nuvens, começou a descida apoiado por instrumentos, entre a névoa de uma tempestade em desenvolvimento, sempre que eles ainda estavam sobre isto as montanhas. Desceu 1000 m. A essa altura o Fairchild entrou numa nuvem e começou a ceder empurrões.

por