Necessitamos Dar Um Salto Em Segurança

Necessitamos Dar Um Salto Em Segurança 1

Necessitamos Dar Um Salto Em Segurança

Estamos em uma encruzilhada, com a segurança cibernética, numa disputa de computador no qual agentes patrocinados pelo Estado, corporações e hackers competem pela supremacia pela Rede. Uma batalha sangrenta em que as posições defensivas estão reforçando a velocidades inusitadas para fazer frente às crescentes ameaças digitais. Entretanto quem sabe não o estamos fazendo o que precisamos, ou pelo menos não com o impulso que tão desesperadamente necessita de nosso tecido social e empresarial. Vamos botar os valores a esta realidade: o 81,3% das empresas espanholas possui de um sistema de monitorização de segurança que lhe permite detectar e gerenciar imprevistos.

Todavia, como contraponto, 34,1% das empresas admite que não foi implantado na sua organização um plano de respostas a imprevistos, em que se detalhem os procedimentos a acompanhar em caso de situação de alertas de segurança.

Da mesma forma, a teor estes fatos coletados pela consultoria Entelgy, 24,2% das empresas nacionais manifesta que não possui de uma equipe de resposta a problemas de segurança. O autor canadense Nathaniel Branden, falecido em 2014, falou que “em um universo em que a plenitude do discernimento humano está dobrando a cada dez anos, a nossa segurança apenas podes descansar em nossa competência de aprender”. Nesta arena de cibersegurança parece que este aprendizado que temos bem dominado, todavia chegou a hora de atravessar de monitoramento, de forma reativo, a ação, as medidas pró-ativas e preventivas de proteção. Chegou a vez de tomar a iniciativa e apostar decididamente na segurança de redes em escala global.

A corporação espanhola necessita conscientizar-se da indispensabilidade de projetar seus planos de resposta a ciberincidentes ou de decidir políticas ativas de proteção. É o instante, como se um propósito de ano novo se tratasse, de dar o salto e aderir à tendência internacional. E é que o Gartner prevê um acréscimo de 8% de investimento em segurança empresarial em ligação a 2017, movendo-se de nada menos do que 96.300 milhões de dólares em o mundo todo.

  1. Corporação de serviços: como podemos aprimorar a experiência do comprador
  2. Siemens Gamesa consegue dois projetos ‘offshore’, em França, de quase 1.000 MW
  3. engenharia Topografia e Construção[nota 1][nota 2]
  4. dezesseis Como se avisar com outro usuário
  5. 27 de abril de 2016 | 10:Cinquenta e dois
  6. Aplica o Exército Plano DN-III-E em Lisboa, após granizo
  7. Orlandoejimenez (discussão) 03:Cinquenta e seis doze jun 2017 (UTC)

, E demonstrou, tais como, que muito menos pessoas saem de uma fila quando têm por trás delas a mais pessoas do que pela frente. Por muito que se tenha que aguardar, a sabedoria de que realmente compensa perder esse tempo aumenta conforme você progride e a cauda cresce por trás. O pior que se leva são as filas múltiplas. Essas circunstâncias aumentam os quadros de ansiedade, ao aflorar a sensação de que os turnos não estão negociando com justiça, por causa de cada linha progride em ritmos diferentes.

É conhecida como a lei Erma Bombeck: “A outra fila a todo o momento progride de forma acelerada do que a nossa”. Várias das filas que roubam, em média, quatro anos de tempo de uma vida, são inevitáveis. E há corporações plenamente conscientes disso. Um caso muito famoso é o protagonizado há já alguns anos por dirigentes do aeroporto de Houston.

por