“Isto É Um Diálogo De Besugos”

"Isto É Um Diálogo De Besugos" 1

“Isto É Um Diálogo De Besugos”

“. É só um parágrafo da carta, ou seria mais preciso expressar desesperada carta, que o presidente da Confederação Nacional de Condução (CNAE), José Miguel Báez, acaba de enviar ao presidente do Governo, Mariano Rajoy. “Isso é um diálogo de besugos”, ponderou semanas atrás, no Congresso, o diretor da DGT, Gregório Serrano.

Não podia ser mais gráfico. A direcção-geral de Viação sustenta, desde o dia em que eclodiu o combate, que esse corpo humano público não pode fazer nada pra desencallar a ocorrência. Isso compete ao Governo e, em característico, os ministérios do Interior e da Fazenda, a situação de funcionários públicos que têm os examinadores. “Na realidade, esta é uma greve que fazem os examinadores de Trânsito e cuja origem é uma reivindicação salarial. A direcção-geral de Viação repete que não tem competência pra aumentar o salário dos examinadores.

Após Fazenda e, se me apurado, o Governo dos que hão de dar uma solução”, compartilha José Miguel Báez. Das condução têm de imediato um bujão de alunos que fizeram todas as práticas de condução e executam fila pra poder conversar. “É uma loteria; no momento em que assinalam a data para a prova prática (uma questão que nos dizem com apenas alguns dias de antecedência) e não sabemos se haverá ou não examinador. Por isso, ninguém pode proporcionar que estes alunos poderão realizar a prova prática”. Um procedimento (check-up teórico e prático), que antes da greve poderia ser superados em mês e meio ou, no máximo, dois meses, “podes-se prolongar prontamente até os 4 ou seis meses”, revela Ignasi Peralta.

“A curto período, a cada dia que passa sem que termine a greve não faz senão aumentar o bujão de candidatos a condutores pendentes de fazer o checape prático. A médio e enorme prazo, o que ocorrer dependerá de como terminar a greve”, aventura o presidente da CNAE.

Ontem estavam convocados meia centena de alunos para o exame prático instruídos pela autoescola São João de Lleida. “Uma vintena se voltaram pra moradia sem realizar a prova prática”, revelava à primeira hora da tarde, Ignasi Peralta. Uma realidade que se repete em algumas novas condução de toda a Espanha.

Voltam a ser citados pra dentro de um mês. Estes candidatos acabam de perder trinta dias, sem que ninguém possa assegurar-lhes que pela próxima convocação irão ter mais sorte. “Cinquenta e dois euros que teriam que pagar estes alunos se tiverem elaborado o exame, os assumimos das condução. Dessa forma que cada dia de check-up, estamos a perder dinheiro desde que começou este conflito”, denuncia o Peralta. José Miguel Baez, calcula que o setor de condução perdeu, a começar por junho e até 31 de outubro, em torno de sessenta e oito milhões de euros.

E isso que ontem, adiciona o gerente da autoescola de Lleida, “foi um dia favorável, em razão de apresentaram-se 4 dos 6 examinadores que teriam que recorrer a esta jornada de exames”. Entre os sortudos que ontem puderam regressar ao volante de um veículo com browser conta-se Aleix. Este jovem, vizinho de Lleida, aspirava ao cartão de caminhão e o 11 de setembro teria sido apto de obtê-lo por ter a sua primeira convocatória. Mas naquele dia não houve examinador pra ele. Por isso que foi citado, na segunda vez, para ontem, quase um mês depois. E, nesta ocasião, sim, entrou entre os escolhidos.

  • 13:00 neesy ->BRINCASSE BECKAM NO CENTENÁRIO
  • Ainda não se sabe a data exata, o seu disco ‘, Porém não acontece nada’ será lançado em setembro
  • Não haverá sanção para a Red Bull pelos motores
  • dois Taça Colômbia
  • 10, Manuel Maria – Certo Administrativo. Buenos Aires: Plus Ultra, 1971

“eu Neste momento tenho a carteira”, considerou ontem com indisimulada alegria. Ainda que teu tom de voz mudou ao relembrar que esta greve de examinadores, custou-lhe a ele, de teu bolso, cem euros a mais do que os previstos. “Ao não entrar na primeira chamada eu tinha que fazer mais práticas durante este mês que tenho esperado até o segundo checape”.

É o que exercem milhares de outros candidatos. Os alunos exercem mais práticas do que as previstas, durante o tempo que esperam o dia do diagnóstico, para não perder talentos. E isto é um gasto extra. Mireia era outra das alunas convocadas, a exame ontem em Lleida. Era sua primeira vez e pela segunda-feira à noite, os professores não puderam garantir-lhe se ele teria ou não examinador. Dessa maneira, às oito horas da manhã veio a essa nomeação, em frente à sede da delegação de Tráfego pela capital de Ponent. A dúvida ficou limpa após a uma da tarde.

por