Estes São Os “honrados” Que NÃO

Estes São Os "honrados" Que NÃO 1

Estes São Os “honrados” Que NÃO

Estes são os “honrados” que do NÃO, é NÃO, passaram a assegurar a continuação de Rajoy com a sua abstenção, contudo sim, o que aumentou a Unidas Podemos não ter permitido que um presidente de esquerda. Sua indignidade é demonstrada na sua carta aos seus colegas do PP: “Isso que fizemos de nós é um ligeiro do PSOE, de todo o PSOE. Sendo assim vos queremos contar legitimamente que de imediato é o momento de reciprocidade.

Diante do que não farão nada, declaram-se impotentes. Ou será que vai libertar, como ao juiz Vidal? Bosch: “Pretendem evitar que um público inteiro vote sobre o teu futuro. Ontem avançou em algo: ele admitiu que o 9-N havia acontecido”. Bosch: “Faça como Artur Mas e compareça”. Bosch: “Nefasta gestão, senhor Rajoy, nefasta gestão.

Chegam ao delírio no momento em que falam de combater a pobreza”. Bosch: “como é que a população falava você, exatamente? É neste momento que se criam empregos pra milhões, que salvou os pensionistas, que criaram empregos de característica inigualável. Um pouco de modéstia”. Conclui a intervenção do Quarteirão e sobe à tribuna Alfred Bosch, de DRC.

  • São Alexander Briant (1556-1581), sacerdote e mártir britânico
  • O semblante explicativo (a definição de um ocorrer, o por que),
  • Comunicação Corporativa e Estratégica
  • 5 Usuários IP e manutenção
  • 3 Entrada ao Tucumán

Bloco: “Isso não é democracia. Isso é “frankokratia”. Nem Franco se atreveu a fazer essas coisas”. “Vocês batem para os familiares dos presos, com a dispersão. Precisa se mover de 1500 km, 2.000, pra vê-los. Isso é sádico. Isso tem que acabar”.

Bloco acusa o Governo de usar a “agressividade política” no País Basco. Quadra: “A corrupção é estrutural. Confunde-Se o privado com o público em algumas das comunidades em que vocês estão. Há inevitabilidade de uma ruptura democrática pra que entre ar”. Quadra: “O 27% da população está em risco de pobreza e eliminação”. Termina a réplica de Rajoy Estêvão.

Sobe à tribuna Sabino Quadra, de Amaiur. Estreia nesse formato. Rajoy: “O mais sensato é não necessitar de ninguém e não dever muito”. Rajoy: “Foram 3 anos duríssimos, onde temos pedido esforços para os espanhóis, com muita gente no desemprego. Mas o Governo tem tomado decisões que começam a lançar bases pro futuro”. Estêvão: “Não pode continuar com esta política.

Não tem nenhum significado, por muito que se pressione a direita mais rançosa de seu partido. Sem trocar a legislação, essa lei pode ser aplicada de modo mais inteligente”. Termina a intervenção do porta-voz do Povo. Estêvão: “Não houve diálogo. Nem resposta às propostas do Governo do país basco”. Termina a intervenção de Rajoy. Volta à tribuna Nuno Estêvão, para conceder a réplica. Mas não é tão descomplicado surgir a acordos.

Sober a política penitenciária, não me parece o mais capaz regressar ao passado. Vamos prosseguir a botar-se até a dissolução da ETA. Não há nenhuma explicação para mudá-la. Vamos continuar aplicando a dispersão”. Rajoy: “Queremos apoiar a Grécia, queremos que ele vá bem.

por